De cabeça baixa


Prosas Cariocas, Granta, Lettrétage
julho 9, 2012, 7:19 pm
Filed under: Sem-categoria

Há oito anos, Marcelo Moutinho e eu organizamos uma antologia chamada Prosas Cariocas. Escolhemos 16 autores para escrever contos sobre os bairros do Rio. Na época, grande parte dos autores tinha menos (ou bem menos) de 30 anos e no máximo dois livros individuais publicados. A maioria, no entanto, era inédita.

 

A divulgação de duas listas recentes – Granta e Lettrétage – me fez perceber que seis daqueles autores do Prosas estão em uma das coletâneas (J.P Cuenca e Vinicius Jatobá na primeira e Mariel Reis, Cecilia Gianetti, Antonia Pellegrino e eu, na segunda). Não cabe aqui juízo de valor ou qualidade literária. Vale apenas a menção para um norte que uma seleção realizada em 2004 nos mostra em 2012.

 

Ainda naquela turma do Prosas estão Adriana Lisboa (hoje premiadíssima e que na época tinha publicado dois romances), o próprio Marcelo Moutinho (que teve seu mais recente livro selecionado entre os finalistas do Portugal Telecom), Henrique Rodrigues (poeta publicado e autor de diversos livros infantis) e Miguel Conde (jornalista e curador da Flip – o cacula da turma – na ocasião ainda universitario, se nao estou enganado).

 

Caso adicione o livro Paralelos, do mesmo ano e com nomes repetidos, juntam-se a esse grupo Tatiana Salem Levy (na Granta) e Paloma Vidal (Lettrétage).

 

Uma panela desde então, poderão dizer os mais raivosos. Como estão enganados! Grande parte dos citados nada têm em comum literariamente ou mesmo em termos de convívio social. Muitos nem se falam, alguns se odeiam.

 

E em tempo, vale muito o que disse Jennifer Egan na Flip, ao ser perguntada sobre o Nobel (e outros prêmios literários). Ela, que ganhou o Pullitzer, respondeu:

 

“Conta muito a sorte, os jurados daquele ano [ou concurso] gostarem do seu livro, do que escreveu.”

Anúncios


Escritores escritos
dezembro 9, 2010, 11:07 am
Filed under: Conto, Eventos, Ficção, Lançamento, literatura

O lançamento da coletânea Escritores Escritos (Editora Flâneur) acontecerá no dia 9/12, no Espaço Cultural Maurício Valansi, em Botafogo (Rua Martins Ferreira, 48), às 19h. A proposta do livro: cada autor deveria escolher um escritor estrangeiro, falecido, e usá-lo como personagem. O meu conto trata do retorno de Albert Camus à Argélia, depois da Guerra e de O estrangeiro publicado, para ver a mãe.



Primos
maio 4, 2010, 5:07 pm
Filed under: Conto, Eventos, Ficção, Lançamento, literatura, Livrarias

Dia de 18 de maio, terça, a partir das 19h, na Livraria da Conde.

Em Primos (Editora Record), estou ao lado de grandes escritores, como a lista do convite revela.  Meu conto é sobre Massada. E mais não falo. Vejo vocês lá.

Para explicar o conceito do livro, convoco as organizadoras Adriana Armony e Tatiana Salem Levy:

“O projeto surgiu da necessidade de mostrar a riqueza e a diversidade dessa herança – da qual ainda se conhece pouco no Brasil –, e ao mesmo tempo pela proximidade entre  duas culturas que, embora muitas vezes sejam vistas como opostas, tiveram berço semelhante. Numa época de conflitos territoriais que tendem à simplificação, queríamos criar um espaço onde essas culturas dialogassem e frutificassem.

     Por outro lado, nos parece que já existe uma importante tradição literária brasileira que trata ou provém da imigração, e que nos diz bastante não só sobre as culturas de origem, mas também sobre o Brasil, um país tão multifacetado quanto antropofágico. E julgamos importante revelar e atualizar essa tradição. “



Tese de mestrado
novembro 30, 2009, 3:07 pm
Filed under: Conto, Leitores, literatura

O google – que não gosta de segredos -, revelou que meu conto Apenas eco, presente na antologia Contos sobre tela (org. Marcelo Moutinho, Pinakotheke Edições, 2005), foi base para uma tese de mestrado. O trabalho, de Marcelino Galdino (muito prazer, Marcelino, escreva-me), chamado Relações dialógicas entre o texto verbal e a obra pictórica (Mackenzie), parte do meu conto (sobre uma tela de Di Cavalcanti) e de um conto de Fabricio Carpinejar também presente no mesmo livro. São impressionantes 30 e tantas páginas sobre meu conto (que tem pouco mais de 5).

Já diriam os sábios: quando escrevem sobre uma obra literária um texto em tamanho maior, é hora de se preocupar…

Mas, enquanto isso, fiquei todo bobo e ganhei uma tarde.

Para quem quiser ler a tese, ei-la.



Flávio Carneiro
outubro 8, 2009, 1:52 pm
Filed under: De cabeça baixa, Leitores, Resenhas
Recebi um e-mail muito bacana do Flávio Carneiro, escritor, critico literário e professor da UERJ. Mandei De cabeca baixa para ele na época do lançamento, há um ano e meio. Sei bem como são as filas de lançamentos pedindo atenção, a minha mesmo tem coisa de mais tempo ainda, que um dia espero ter tempo para escoar. Pois ele teve tempo e me mandou esse e-mail:
 
“Caro Xará,
 
tudo bem?
Te peço mil desculpas pela demora na leitura do seu livro. Comecei duas vezes e tive que interromper por questões de trabalho e começar de novo. Ontem finalmente tive uma oportunidade e concluí a leitura.
Gostei. Achei muito boa essa idéia de montar toda a história com variações sobre o título: de cabeça baixa, que ora se aplica a Felipe, ora a Marcelo, mas também aqui e ali a outros personagens, não apenas os mais citados como também outros que aparecem quase como figurantes, como o porteiro, mais pro final do livro (p. 146). E isso fica ainda mais interessante se considerarmos não apenas a idéia de cabeça baixa ligada a introspecção, em certas passagens, ou a baixa autoestima, em outras, mas também ao fato de o mercado editorial ser o espaço onde se enfrentam os de cabeça alta e os de cabeça baixa. Seu romance lida muito bem com isso, com esse mundo do livro – de quem escreve, quem vende, quem edita, quem lê – e seus duelos cotidianos. E não cai no estereótipo de apresentar esse mundo apenas como um duelo entre vencedores e perdedores – o que ele não é mesmo, claro – mas como algo mais complexo do que aquilo que as pessoas lêem nos jornais (ou pelo menos nos suplementos).
Você criou um personagem bom, de uma fragilidade ficcionalmente rentável, e centrou a história nele. A história tem um ritmo bom também, que vai se mantendo do início ao final, no tempo cruzado das histórias do personagem (seu) e do outro (criado pelo seu), protaganista de Desencanto.
O fio meio romance policial da investigação que Felipe empreende pela cidade (ou pelas cidades, começando por Curitiba) atrás da misteriosa leitora/anotadora de livros Ana Maria ajuda a sustentar o ritmo da história e é bem conduzido. Em especial, gostei da troca de identidades na cena final, Ana Maria/Ana Paula, do bilhete a ser lido quando fosse concluída a leitura dos originais (?) etc.. Muito bem tramada essa parte. E o final também é bom, sugerindo uma história futura, centrada num Felipe quem sabe mais leve, livre do fardo que, simbolicamente, deixa no vaso de plantas do vizinho.
É isso. Parabéns pelo livro.”
 


Conto no Rascunho
agosto 19, 2009, 7:22 pm
Filed under: Conto, Ficção, literatura

Tenho um continho meu no Rascunho de agosto. Leia aqui.



Debate na Moviola
agosto 5, 2009, 3:30 pm
Filed under: De cabeça baixa, Eventos, literatura, Livrarias

Participarei de um bate-papo com Marcelo Moutinho e Ondjaki na Moviola (Rua das Laranjeiras 280 loja C) no sábado, às 17h. Mediação de Miguel Conde.

Apareçam!