De cabeça baixa


Trechos

  ”Houve vezes que poderia ter feito um pouco mais, sido um pouco mais para Luana. Levá-la até a porta do elevador e congelar o sorriso na janelinha até a caixa descer. Não conseguia. Ela sempre via a sensação de perfeição desabar com força maior do que a gravidade. O último olhar nunca levava um sorriso de recordação, e nem o primeiro, quando ela abria os olhos se espreguiçando com o corpo inteiro e o sentia ao lado na cama.

     O primeiro sorriso do dia não tinha espelho.

     Felipe não conseguia devolver a felicidade sem explicação dos primeiros segundos da manhã.

    Houve vezes em que Luana chorou sem motivo, e ele não soube dar um abraço calado, um carinho também sem sentido ou perguntas. Mesmo quando ela disse que ia embora e chorou, ele não disse nada, e isso sintetizou tudo.

     As conversas dos dois tinham vozes dissonantes. Começavam em trivialidades, terminavam em discussão sem sentido. No final era tudo sempre o desfecho próximo, a sensação trava-língua do que não dava mais certo, a desesperança de olhar para trás e ver um início promissor, as recordações felizes pululando em retratos e presentinhos, mas que dera errado em algum, vários pontos.”

De cabeça baixa, pp. 87 e 88 

Trechos publicados originalmente em resenha do jornal Valor Econômico (28.3.2008):

“Mas o que ‘Desencanto’, seu livro, sua teoria, estava fazendo no sebo, e quem o sublinhara? Folheou as páginas iniciais e percebeu que estavam todas anotadas pela mesma letra. Tinha outro livro rabiscado, analisado, nas margens deste. Que jamais vendera sequer a edição de seiscentos exemplares que ele pagara. Que fora desenganado pelos escritores, seus amigos na época, e o condenara à segunda divisão de uma já esquecida geração literária carioca do final dos anos 1990. (…) ‘Desencanto’ fora a premonição do fracasso que se seguiu, não literalmente, mas na sua incapacidade de agir ou reagir. Restara apenas a fuga, impositiva, punitiva, e, desde então, jamais parara de correr, mesmo assentado em Curitiba.”

“Novamente Curitiba na cabeça. Sentiu-se um fantasma na própria cidade; ainda seria a sua cidade?, pensou, ele agora um estranho, parado, sozinho, estático como uma pessoa terrivelmente amedontrada, uma formiga que sabe que será esmagada. Era preciso voltar ao hotel, ler a carta de Ana Maria, decidir sobre seu futuro imediato: ficar ou exilar-se em Curitiba. Mas será que agora não seria o contrário, o exílio na própria cidade natal? Ou em ambas.”


2 Comentários so far
Deixe um comentário

Que trecho hein? Fico pensando como será o texto na íntegra… Tenho sentimentos, lembranças que sempre acho serem só meus, mas ao ler o trecho do seu livro lembrei que sentir move o mundo e todo mundo… Parabéns.

Comentário por Denise

Adorei seu comentário, Denise.
Obrigado.
Espero que consiga achar o livro. Dá uma olhada na listagem de livrarias na página “Onde comprar”.

Comentário por decabecabaixa




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: